Domingo, 17 de Outubro de 2021
18°

Muitas nuvens

Cascavel - PR

Opinião História do Oeste

Gaúchos e catarinenses atacam o Paraná

Colônia Militar frágil e prioridade à infraestrutura no período em que o Paraná sofreu a invasão de revolucionários federalistas do RS e tropas de SC

15/08/2021 às 09h35
Por: Alceu Sperança
Compartilhe:
Forças militares marcham no centro de Foz do Iguaçu
Forças militares marcham no centro de Foz do Iguaçu

Criado com a República, em 1889, o Estado do Paraná tinha a pretensão de resolver os problemas que a Província do Paraná (1853–1889) não conseguiu. O principal deles era a ocupação dos territórios esvaziados de contingentes indígenas.

RECEBA AS PRINCIPAIS NOTÍCIAS PELO WHATS. ENTRE NO GRUPO

No início da década de 1890 as apostas nesse sentido estavam na Colônia Militar do Iguaçu. Sob controle federal, a CMI permitiria ao Paraná cuidar da integração entre as regiões Norte, sob influência paulista, e Sudoeste, entregue aos coronéis curitibanos.

Provavelmente o maior importante homem público da história paranaense, o engenheiro Cândido de Abreu (1856–1918) foi enviado à região para avaliar os rumos da Colônia Militar e encontrou muitos problemas.

Seu relatório, porém, foi brando: “É de justiça consignar-se que o que ali existe de bom e de bem feito deve-se às administrações desse período, especialmente à do saudoso capitão Edmundo de Barros e seus auxiliares”, escreveu Abreu em 1894.

“Esse período caracterizou-se no empenho em dar à Colônia uma feição de liberdade e asilo; todos trabalhavam por sua prosperidade”.

O legado de Barros

Na verdade, no extremo-Oeste do Paraná a economia que prosperava era o contrabando, causando sérias dores de cabeça ao comando da Colônia Militar.

As maravilhas do lugar ainda estavam longe de sugerir seu aproveitamento econômico: o turismo na fronteira não era viável por absoluta falta de estrutura.

Embora se saiba que a influência do inventor Alberto Santos-Dumont (1873−1932) foi decisiva para a criação do Parque Estadual (depois, Nacional) do Iguaçu, em 1916, não foi ele quem o idealizou.

A origem do Parque Nacional do Iguaçu está no trabalho do militar e escritor goiano Edmundo Xavier de Barros (1861–1905), um dos formadores da cidade de Foz do Iguaçu, já mencionado elogiosamente em 1894 pelo engenheiro Cândido de Abreu.

Coube a Barros, em 1897, enquanto Santos-Dumont fazia seu primeiro voo de balão em Paris, iniciando sua histórica trajetória aeronáutica, a iniciativa de levantar a planta dos Saltos das Cataratas em detalhes, projetando um grande parque a ser construído na margem brasileira, diante das Cataratas.

Santos-Dumont, no século seguinte, será o responsável por agregar ao projeto a força de sua celebridade e levá-lo a se concretizar.

Contrabando à solta

O retrato otimista de Abreu em 1894, porém, ignorava a agricultura pouco expressiva, muito aquém de seu potencial. As culturas de subsistência normalmente mascaravam a atividade principal: o contrabando.

Nesse ponto, a Colônia Militar quase não saía do lugar: não convertia em ganhos econômicos o estímulo, ainda que mínimo, às culturas de café, fumo, mandioca, cana-de-açúcar, arroz, trigo, cevada, feijão, milho, batata e outros produtos que o Paraná pretendia para alimentar seu povo.

Para o governo do Paraná, nessa época, a prioridade foi reforçar as vias de transporte e as comunicações. O combate ao contrabando deveria ser feito pelas autoridades militares. Afinal, a colônia era militar e pertencia à União.

Foi assim, priorizando a infraestrutura, que em outubro de 1894 o Estado já punha em operação os serviços das linhas telefônicas de Foz do Iguaçu, sob o comando do alferes João Gualberto Gomes de Sá Filho (1874−1912), um jovem pernambucano de 20 anos.

João Gualberto foi em seguida também designado para cooperar com a Comissão Estratégica, encarregada de construir a estrada Guarapuava−Foz do Iguaçu.

Brasil vence Argentina

Terceiro presidente da República e primeiro civil no cargo, Prudente de Morais assume em 15 de novembro de 1894 um país mergulhado na crise, com muitas tensões políticas e derramamento de sangue.

Para a região, a gestão de Prudente foi positivo na medida em que foi sob seu governo que no início de 1895 chegou ao fim o contencioso entre Brasil e Argentina sobre a chamada Região das Missões.

Laudo emitido pelo presidente Grover Cleveland em fevereiro de 1895 acolheu a tese do barão do Rio Branco quanto à posse efetiva da área, assegurando ao Brasil a região Sudoeste do Paraná, barrando assim a pretensão platina.

O Brasil não perderia mais essa região, mas o Paraná perderia parte dela para Santa Catarina no século seguinte.

Com Andrade, paz e progresso

No fim do século XIX o Paraná foi governado por José Pereira dos Santos Andrade (1842–1900). Em tempos geralmente de brigas e rancores, o governo do conservador Santos Andrade foi de paz e progresso.

Em feito raro, politicamente perfeito e estrategicamente vencedor, começou chamando para a articulação política do governo seu maior adversário: o coronel Luiz França, em quem viu disposição e concordância em unir o Paraná para enfrentar seus grandes desafios.

Na grave crise decorrente da Revolução Federalista, amargando a invasão de aguerridas tropas gaúchas, Andrade abriu mão do salário de governador, que ficaria para ser pago quando o Paraná voltasse a prosperar.

Além de nunca mais ser pago, no final do governo ele foi surpreendido pela informação de que tropas catarinenses foram enviadas para ocupar o Sul e Sudoeste paranaense.

Forte coluna da polícia barriga-verde, embarcada em lanchas e vapores, pretendeu controlar a navegação dos rios Negro e Iguaçu, de jurisdição paranaense.

Santos Andrade reagiu, atacou, venceu e desarmou os soldados do Estado vizinho, arrecadando todas as armas e munições que portavam. Saiu do governo em fevereiro de 1900 e morreu logo depois.

CM tenta mostrar eficiência

O final do século XIX foi um período marcante para a história do Sul brasileiro, uma vez que em 1896 começou a construção da Estrada de Ferro São Paulo−Rio Grande, elemento decisivo na formação do Paraná.

É a ferrovia que fará a integração entre o Norte e o Sul do Estado. Cada estação ou posto avançado de trabalho com boas aguadas vai gerar um núcleo de colonização.

Um Paraná mais íntegro se esboça no avanço dos trilhos e os conservadores prevaleciam. A supremacia dos maragatos no Litoral havia sido quebrada na espinha com a derrota da Revolução Federalista.

A Oeste, a estruturação da Colônia Militar do Iguaçu já dava ao governo estadual a impressão de ter regularizado as explorações ervateiras nas margens do Rio Paraná.

Os números oficiais revelados em 1896 pelo comandante da Colônia Militar, tenente-coronel Joaquim de Sales Torres Homem (1851−1920), apontam que Foz do Iguaçu registrou nesse período um volume de exportação de erva-mate ao redor de 880 toneladas.

Torres Homem reconhecia, entretanto, que pelo menos um terço da produção total do mate seguia para a Argentina via contrabando, passando ao largo de qualquer fiscalização oficial.

Primeiro combate ao contrabando

O governo do Paraná resolve endurecer a fiscalização, em fins de 1897, procurando reforçar o erário estadual com o combate à sonegação.

Vai empreender uma repressão mais forte ao contrabando na fronteira, onde a omissão dos militares permite a sangria de riquezas paranaenses para a Argentina, via Rio Paraná.

As agências fiscais já existentes tiveram ações intensificadas e uma comissão do Estado foi enviada à Colônia Militar para criar uma agência fiscal de fronteira.

Ao criar a Administração dos Correios do Estado, em janeiro de 1898, o governo do Paraná concentra energias em uma de suas prioridades: a comunicação entre a capital, o litoral, o Sul ameaçado pelas tropas catarinenses e as regiões de desbravamento, especialmente a tríplice fronteira.

Faz parte do esforço para interiorizar a administração estadual a criação de entrepostos em postos-chaves ao longo da trilha militar que daria origem à Estrada Estratégica, hoje BR-277.

O século XIX se encerra com o Paraná amargando prejuízos com a cultura do café. A agricultura ainda estava longe de ser o negócio do Paraná. A sombra da indústria ervateira pairava permanentemente sobre o Estado e a primeira tentativa de exportar o café regional foi desastrosa.

 

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Alceu Sperança
Alceu Sperança
Sobre Jornalista e escritor.
Cascavel - PR Atualizado às 22h18 - Fonte: ClimaTempo
18°
Muitas nuvens

Mín. 13° Máx. 21°

Seg 22°C 12°C
Ter 22°C 13°C
Qua 22°C 11°C
Qui 24°C 12°C
Sex 23°C 14°C
Anúncio
Horóscopo
Áries
Touro
Gêmeos
Câncer
Leão
Virgem
Libra
Escorpião
Sagitário
Capricórnio
Aquário
Peixes
Ele1 - Criar site de notícias